Juros dos Treasuries de 10 anos podem alcançar até 3% em 2021, diz ARX Investimentos

Assets, Fundos & Gestores

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Inflação no Brasil deve atingir pico em setembro, projeta Vinland Capital

Pela primeira vez em 2021, o Boletim Focus, relatório publicado pelo Banco Central com a mediana das expectativas do mercado, divulgado nesta segunda-feira (16),...

Mercado está ignorando risco de racionamento em 2022, diz CIO da RPS Capital

Um possível racionamento de energia em 2022 é um assunto pouco abordado atualmente no mercado, mas que tem um potencial relevante para ganhar os...

Fundamento do bitcoin não mudou mesmo com forte queda, afirma Hashdex

Após atingir o topo histórico em abril, cotado acima dos US$ 63 mil, o bitcoin passou por um movimento de queda livre nos meses...

Os rendimentos dos Treasuries de 10 anos devem ultrapassar a marca de 2% e podem, inclusive, alcançar o patamar entre 2,5% e 3% ainda em 2021, segundo a visão da ARX Investimentos, asset com mais de R$ 20 bilhões sob gestão.

A casa afirma que a aceleração dos títulos americanos de longo prazo são fundamentadas na recuperação da economia dos Estados Unidos, contudo o que assusta o mercado é a velocidade com que isso acontece.

Nos EUA, o cenário que se apresenta é de uma forte retomada, com a previsão média de crescimento econômico em 2021 em 5,95%, impactada pelo novo pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão e com uma perspectiva de vacinação da população até maio deste ano. 

Somado a isso, o Federal Reserve, o banco central americano, sinalizou que deverá manter a taxa de juros, atualmente na faixa entre 0% e 0,25% ao ano, inalterada pelo menos até 2023. O Fed, inclusive, também “se alavancou” no período de pandemia, com seu balanço expandindo cerca de 10 vezes mais do que seu histórico, além de continuar comprando mensalmente cerca de US$ 120 bilhões em títulos.

“Isso tudo cria um contexto no qual o americano está acreditando que irá gerar inflação”, afirma Paulo Bokel, head de Distribuição da ARX, em entrevista ao B.Side Insights, acrescentando que o Fed, diferentemente do BC brasileiro, olha para a inflação e para o emprego, e já deu a sinalização de que a expectativa inflacionária dos EUA fique acima de 2% e se estabeleça nesse nível “por um tempo”.

Segundo ele, o Fed comunicou que não fará nada neste momento em um discurso dovish, mas que o mercado sempre testará a autoridade monetária. Então a discussão que fica é até onde o crescimento dos rendimentos de longo prazo vai sem atuação do banco central.

Assim, o que traz maior cautela para o mercado é a velocidade de alta dos Treasuries de 10 anos, olhando para o histórico de curto prazo. Em outubro de 2018, o título operava acima de 3% e, no meio da pandemia, em meados de julho, desabou para 0,5% nas mínimas históricas. Passado o momento de maior tensão, o título mostrou uma recuperação até o patamar de 0,9% e desde então pegou impulso em forte ritmo de aceleração, alcançando o nível de 1,7%.

“É natural que isso aconteça diante do cenário econômico. O que nos preocupa de certa forma é a que nível esse negócio vai”, afirma Bokel.

Ele ainda destaca que a alta dos Treasuries acaba sendo ruim para os países emergentes, já que acaba se tornando um importante concorrente do dinheiro que vem inclusive para o Brasil.

“Se os Treasuries subirem muito, ou o Brasil vai ter que elevar demasiadamente os juros ou vai acabar perdendo um pouco do fluxo”, explica.

Treasuries para cima e ações de techs para baixo

Para a ARX Investimentos, o movimento de queda das ações ligadas ao setor de tecnologia estão diretamente ligadas ao valuation “esticado”. Essas companhias sofrem mais porque na hora que a taxa de juros começa a subir, o valor presente delas precisa cair.

“Quando o dinheiro não custa nada, as empresas podem não dar dinheiro por muito tempo. Mas quando o dinheiro começa a ficar mais caro, o fluxo de caixa começa a incomodar”, diz Bokel, adicionando que estamos vendo um cenário em que investidores deixam os papéis de growth rumo às ações de value.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: bancos e commodities puxam Ibovespa para cima na contramão de NY; dólar sobe a R$ 5,37

Impulsionado pelo bom desempenho das commodities e do setor bancário, o Ibovespa registrou leves ganhos de 0,27%, aos 113.583,01 pontos. A alta do minério...

B.Side Daily Report: bolsas globais não definem sinal único em dia de valorização de commodities; Focus mostra 25ª alta seguida do IPCA

Bolsas iniciam a semana com desempenhos mistos Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias operam majoritariamente no campo...

Fechamento B.Side: Ibovespa recua aos 113 mil pontos pressionado por exterior negativo e inflação persistente; dólar sobe a R$ 5,34

Contaminado pelo clima de maior pessimismo no exterior, o Ibovespa encerrou a sequência de três altas consecutivas e registrou queda de 0,69%, aos 113.282,67...

O futuro da Apple depois de seu último lançamento

Na semana passada, a Apple apresentou a sua nova linha de produtos, com mudanças em todos os segmentos, ainda que sem grandes novidades tecnológicas...

B.Side Daily Report: bolsas globais recuam com temores renovados sobre Evergrande; mercado monitora IPCA-15 de setembro

Bolsas globais caem com temores renovados sobre Evergrande Os índices futuros de Nova York e as bolsas europeias operam em queda nesta sexta-feira, após a...
Publicidade