DNVBs: as startups que buscam vender uma experiência aos clientes e que podem pintar na Bolsa em um futuro próximo

Assets, Fundos & Gestores

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Inflação no Brasil deve atingir pico em setembro, projeta Vinland Capital

Pela primeira vez em 2021, o Boletim Focus, relatório publicado pelo Banco Central com a mediana das expectativas do mercado, divulgado nesta segunda-feira (16),...

Mercado está ignorando risco de racionamento em 2022, diz CIO da RPS Capital

Um possível racionamento de energia em 2022 é um assunto pouco abordado atualmente no mercado, mas que tem um potencial relevante para ganhar os...

Fundamento do bitcoin não mudou mesmo com forte queda, afirma Hashdex

Após atingir o topo histórico em abril, cotado acima dos US$ 63 mil, o bitcoin passou por um movimento de queda livre nos meses...

Mais do que vender um produto, buscamos vender uma experiência. É com esse mantra que a Dr. Jones, startup do segmento de beleza e higiene pessoal masculina, faz parte de um movimento que vem disruptando a indústria e o setor de varejo. 

Com crescimento mensal acima de 30% em 2020 em plena pandemia, a empresa tem como meta para 2021 faturar mais de R$ 10 milhões e romper a barreira dos 120 mil pedidos.

A Dr. Jones está inserida em um seleto grupo de DNVBs brasileiras que vêm chamando a atenção do mercado e ganhando destaque ao lado de startups como Sallve, Zee.Dog, Amaro, Insider Store, Yuool, com potencial para se transformar futuramente em um unicórnio (empresas avaliadas em mais de R$ 1 bilhão) e até realizar um IPO (abertura de capital) na Bolsa de Valores daqui a alguns anos.

Mas, antes de tudo, o que é uma DNVB? A sigla é derivada da expressão em inglês Digitally Native Vertical Brand, criada em 2016 para descrever negócios com uma forte cultura digital que buscam oferecer uma experiência memorável para os clientes. Em outras palavras, essas empresas fazem parte de uma desintermediação da cadeia de varejo, criando produtos que realmente são relevantes na visão dos consumidores.

“Uma DNVB tem que ser provocativa, não pode ser mais do mesmo”, define André Popoutchi, cofundador da Dr. Jones, em entrevista ao B.Side Insights.

Ao contrário de empresas tradicionais que têm uma forte dependência do varejo (farmácias, supermercados, perfumaria, franquia, etc) para venderem seus produtos e alcançarem o consumidor final, criando um distanciamento entre marcas e clientes, as DNVBs têm como foco inserir o cliente no processo e o colocar no centro das decisões, acabando com os intermediários.

“Uma DNVB pega o insight direto com o cliente, entende o que ele quer, lança o produto e já entrega diretamente para o consumidor, rompendo a cadeia e sendo mais ágil na entrega e na formulação de novos produtos”, explica Popoutchi, adicionando que essas companhias também têm como diferencial a utilização de dados para conhecer a fundo seus clientes, os transformando em uma comunidade. “As marcas tradicionais que não se modernizarem tendem a morrer ou desaparecer.”

Dr. Jones: do varejo físico para o digital

Ao contrário da maioria das outras DNVBs, a Dr. Jones nasceu no varejo físico, com um canal digital pequeno e uma penetração das vendas online muito baixa. Nos canais tradicionais de venda, a empresa sentiu na pele a dificuldade de entender o cliente e inovar em seus produtos.

Foi então em novembro de 2019 que a marca decidiu “pivotar” (mudar o rumo dos negócios), fechando os pontos físicos e os canais digitais de e-commerce, focando 100% em um canal digital próprio.

O que a companhia não sabia é que depois de poucos meses surgiria uma pandemia de covid-19 que mudaria completamente a rotina de praticamente toda a população, ficando mais tempo em casa e optando pelas compras online.

Apesar da grave crise econômica causada pela pandemia, o momento foi favorável em termos de negócios para a Dr. Jones, já que houve uma aceleração no consumo online por parte dos brasileiros.

“Pessoas que demorariam alguns anos para comprar conosco foram impactadas por indicações de conhecidos ou por nossas campanhas de redes sociais, inclusive realizando sua primeira compra online”, conta Popoutchi.

Até onde podem chegar as DNVBs?

Um dos mais importantes fundos de venture capital do Brasil, a Astella Investimentos conta com duas DNVBs em seu portfólio: a Sallve, focada em cosméticos, e a própria Dr. Jones. 

Os investimentos começaram a ser feitos depois que esse modelo de negócio ganhou corpo entre 2016 e 2017, principalmente no exterior. O movimento que mais chamou a atenção foi a aquisição da Dollar Shave Clube, uma DNVB americana, pela Unilever por US$ 1 bilhão.

Segundo Daniel Chalfon, sócio da Astella, as DNVBs brasileiras estão construindo marcas fortes no universo de consumidores mais jovens e essa base tende a ir crescendo ao longo dos anos. O mais importante, segundo ele, é se aproveitar das duas arbitragens do mundo digital a seu favor: de aquisição de clientes (CAC) e de recorrência (LTV).

“Você tem de um lado uma proposta de valor muito boa e de outro a construção de novas marcas que podem ser vencedoras em seus setores ao longo dos anos”, afirma Chalfon, acrescentando que o Brasil tem uma tradição muito grande em produtos de consumo de marcas locais como Natura, Boticário, Ambev e Hypera Pharma. “É muito comum as marcas locais não só desafiarem os estrangeiros, mas também conquistar uma posição de destaque no mercado ou até a liderança.”

Neste caminho, o sócio da Astella enxerga a possibilidade de um IPO para uma DNVB nos próximos três a quatro anos. “A questão é ter controle sobre essa estratégia de topo de funil e gerar recorrência.”

Apesar de estar otimista com o setor, ele alerta, no entanto, para a perda de tração de empresas desse tipo no exterior que se inflaram demais com excessivo investimento de marketing em plataformas de terceiros (Instagram, Facebook e Google). “Isso é um problema porque acaba não desenvolvendo uma estratégia proprietária de aquisição de clientes”, diz Chalfon.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: bancos e commodities puxam Ibovespa para cima na contramão de NY; dólar sobe a R$ 5,37

Impulsionado pelo bom desempenho das commodities e do setor bancário, o Ibovespa registrou leves ganhos de 0,27%, aos 113.583,01 pontos. A alta do minério...

B.Side Daily Report: bolsas globais não definem sinal único em dia de valorização de commodities; Focus mostra 25ª alta seguida do IPCA

Bolsas iniciam a semana com desempenhos mistos Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias operam majoritariamente no campo...

Fechamento B.Side: Ibovespa recua aos 113 mil pontos pressionado por exterior negativo e inflação persistente; dólar sobe a R$ 5,34

Contaminado pelo clima de maior pessimismo no exterior, o Ibovespa encerrou a sequência de três altas consecutivas e registrou queda de 0,69%, aos 113.282,67...

O futuro da Apple depois de seu último lançamento

Na semana passada, a Apple apresentou a sua nova linha de produtos, com mudanças em todos os segmentos, ainda que sem grandes novidades tecnológicas...

B.Side Daily Report: bolsas globais recuam com temores renovados sobre Evergrande; mercado monitora IPCA-15 de setembro

Bolsas globais caem com temores renovados sobre Evergrande Os índices futuros de Nova York e as bolsas europeias operam em queda nesta sexta-feira, após a...
Publicidade