Canvas Capital chama a atenção para investidor também olhar para perenidade de uma asset independente

Assets, Fundos & Gestores

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Inflação no Brasil deve atingir pico em setembro, projeta Vinland Capital

Pela primeira vez em 2021, o Boletim Focus, relatório publicado pelo Banco Central com a mediana das expectativas do mercado, divulgado nesta segunda-feira (16),...

Mercado está ignorando risco de racionamento em 2022, diz CIO da RPS Capital

Um possível racionamento de energia em 2022 é um assunto pouco abordado atualmente no mercado, mas que tem um potencial relevante para ganhar os...

Fundamento do bitcoin não mudou mesmo com forte queda, afirma Hashdex

Após atingir o topo histórico em abril, cotado acima dos US$ 63 mil, o bitcoin passou por um movimento de queda livre nos meses...

Além de entregar retornos consistentes e assimétricos a seus cotistas, uma asset independente também precisa se preocupar em manter um negócio perene, que vá durar durante muito tempo. É com esse pensamento que a Canvas Capital, gestora independente com R$ 12,2 bilhões sob gestão, trabalha para gerar estabilidade e, consequentemente, dar tranquilidade para seus gestores performarem.

Segundo um estudo encomendado pela Canvas, de 2008 até hoje, 70% das gestoras de cerca de 13 anos atrás não existem mais, refletindo como a concorrência neste mercado de investimentos é acirrada e demonstrando que há um viés adicional de sobrevivência para as casas. “Para cada Verde, quantos não morreram no caminho?”, questiona a gestora em apresentação ao B.Side Insights, fazendo alusão à mais famosa gestora do mercado brasileiro. Assim, um investidor deve questionar: a gestora com quem estou investindo estará viva daqui a uma década?

A visão de ter um negócio robusto veio, principalmente, depois de um forte tombo em 2013. Percebendo a fragilidade de ter uma empresa pautada em apenas uma única estratégia, a Canvas resolveu então diversificar seu portfólio e implementar novos processos de controle de risco e limites. 

Atualmente, a casa possui quatro áreas: a estratégia macroeconômica do Brasil (com mais de R$ 5 bilhões), crédito distressed e high yield (R$ 5 bilhões), sistemático global (R$ 2 bilhões) e ações brasileiras, esta última ainda em desenvolvimento. Além da diversificação de estratégias, outro ponto destacado é a variada gama de investidores.

Outro diferencial apontado pela asset está em seu time sênior, com mais de 50 pessoas, sendo que aproximadamente 20 são sócios do negócio. A casa tem Antonio Quintella, ex-presidente do Credit Suisse no Brasil e na América Latina, como CEO. Já a área de gestão macro é tocada por Guilherme Gaertner e Eduardo Bodra, ambos ex-Itaú BBA e Advis Investimentos. Rafael Fritsch, ex-JPMorgan, Bank of America, Deutsche Bank e JGP, é responsável pela área de crédito, e Alessandro Correia, ex-Itaú BBA, Angra Partners e Pollux Capital, pela estratégia de equities. Por fim, Francisco Funari, ex-Advis Investimentos, faz a gestão do fundo sistemático.

Carro-chefe da Canvas

Com quase 13 anos de operação, o multimercado Canvas Enduro, disponível na plataforma do BTG Pactual digital, é o principal fundo da gestora.

Com foco no cenário macroeconômico brasileiro, o fundo gerou um retorno de 690,2%, desde setembro de 2018, resultado 342% maior do que o CDI no período. Com uma volatilidade que gira entre 7% e 8%, o fundo também conta com outras versões do Enduro mais conservadoras, arrojadas e de previdência.

A asset ainda tem no portfólio o fundo sistemático global Canvas Vector, o long only Canvas Rally, o long biased Canvas Dakar e o de crédito Canvas High Yield.

Visão para 2021

Depois de passar por um 2020 de recuperação por conta da pandemia de covid-19, a Canvas iniciou este ano comprada (apostando na alta) em bolsa doméstica e no exterior. Apesar de enxergar um nível de precificação dos ativos com “bastante coisa ruim” no preço de Brasil, a asset não acredita em um colapso no País causado pelos ruídos políticos recentes, e afirma que o cenário externo positivo ancora as expectativas para cima.

Ao falar do cenário de inflação lá de fora, a casa comenta que é cética ao olhar a taxa de juros com uma grande abertura. Segundo ela, o mundo está lutando há pelo menos uma década contra a deflação e os bancos centrais mundiais não veem com maus olhos uma alta moderada no nível dos preços. Sendo assim, o processo de normalização de taxa de juros deve ser gradual.

Além disso, a gestora diz estar zerada na posição de câmbio, após a piora da crise sanitária no País e ruídos políticos que fizeram do real a moeda que mais se desvalorizou no mundo. Para a Canvas, por mais que o real esteja depreciado em relação a seus pares, a moeda ainda vai demorar para se valorizar, já que funciona como uma “válvula de escape”, ou seja, quando tudo dá errado, é o câmbio que acaba se desvalorizando.

Na parte de juros, a Canvas enxerga um bom prêmio na curva de janeiro/2023, mas, por outro lado, está tomada no vértice de janeiro/2027. A casa também está tomada em juros de emergentes (Colômbia e África do Sul) e nos Treasuries.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: bancos e commodities puxam Ibovespa para cima na contramão de NY; dólar sobe a R$ 5,37

Impulsionado pelo bom desempenho das commodities e do setor bancário, o Ibovespa registrou leves ganhos de 0,27%, aos 113.583,01 pontos. A alta do minério...

B.Side Daily Report: bolsas globais não definem sinal único em dia de valorização de commodities; Focus mostra 25ª alta seguida do IPCA

Bolsas iniciam a semana com desempenhos mistos Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias operam majoritariamente no campo...

Fechamento B.Side: Ibovespa recua aos 113 mil pontos pressionado por exterior negativo e inflação persistente; dólar sobe a R$ 5,34

Contaminado pelo clima de maior pessimismo no exterior, o Ibovespa encerrou a sequência de três altas consecutivas e registrou queda de 0,69%, aos 113.282,67...

O futuro da Apple depois de seu último lançamento

Na semana passada, a Apple apresentou a sua nova linha de produtos, com mudanças em todos os segmentos, ainda que sem grandes novidades tecnológicas...

B.Side Daily Report: bolsas globais recuam com temores renovados sobre Evergrande; mercado monitora IPCA-15 de setembro

Bolsas globais caem com temores renovados sobre Evergrande Os índices futuros de Nova York e as bolsas europeias operam em queda nesta sexta-feira, após a...
Publicidade