Petróleo deve ganhar espaço no segundo semestre substituindo siderurgia e mineração, afirma Paschoal Paione, gestor do Garín Cíclico

Assets, Fundos & Gestores

Fundamento do bitcoin não mudou mesmo com forte queda, afirma Hashdex

Após atingir o topo histórico em abril, cotado acima dos US$ 63 mil, o bitcoin passou por um movimento de queda livre nos meses...

Conhecida entre os single e multi family offices, RPS Capital abre leque para captação em plataformas de investimento

Bastante conhecida entre single e multi family offices, a RPS Capital, asset com aproximadamente R$ 3 bilhões sob gestão, agora também está disponível nas...

Acabou o grande “boom” dos Estados Unidos, afirma CIO da O3 Capital

Depois de um primeiro semestre de 2021 forte para a economia americana, apoiada por um pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão, uma política monetária...

O3 Capital completa seis meses após abrir para captação estratégia de 7 anos de Abilio Diniz

Antes focada exclusivamente na administração de recursos da Península, holding de investimentos do empresário Abilio Diniz, a gestora O3 Capital completou seis meses desde...

Depois de um primeiro semestre de intensa valorização para aço e minério de ferro, a segunda metade do ano deverá ter o petróleo como protagonista, podendo chegar até o patamar de US$ 90 por barril. Atualmente, a commodity é negociada pouco acima de US$ 70. Pelo menos essa é a aposta de Paschoal Paione, gestor do fundo Garín Cíclico, disponível para investimento na plataforma do BTG Pactual digital. 

O fundo multimercado long biased especializado em commodities acumula um retorno de 8,01% nos primeiros cinco meses de 2021, ante valorização de 6,05% do Ibovespa e de 0,96% do CDI.

“O ciclo de commodities continua de pé, mas não acontecerá de uma vez só. Alguns setores vão dar uma moderada como, por exemplo, siderurgia e mineração de uma maneira geral. Por outro lado, temos outros setores ganhando espaço como energia”, afirma Paione em entrevista ao B.Side Insights.

Segundo ele, o estoque atual de petróleo se encontra em um patamar menor do que a média dos últimos 5 anos e menor do que no ano passado, refletindo ainda a perda de demanda brutal ao redor do mundo causada pela diminuição de mobilidade.

“Nossa tese é de que quando começar a acelerar a mobilidade em função do aumento do ritmo de vacinação, você vai ter uma dragagem muito mais rápida do estoque de petróleo”, diz o gestor, completando que a Opep deverá manter o cronograma e voltar a produzir 6 milhões de barris de petróleo por dia apenas em fevereiro ou março de 2022, a não ser que a demanda acelere demais.

Siderúrgicas não estão mais tão atraentes

Depois de se aproveitarem de um ótimo momento do mercado global na primeira parte de 2021, com o câmbio favorável, preço do aço bombando lá fora e com pouca oferta no mercado doméstico, as siderúrgicas brasileiras já não se encontram tão atrativas quanto já estiveram neste ano.

“O ambiente de siderurgia deu uma exaurida tanto do ponto de vista da commodity global como também em relação ao equity”, opina Paione.

Segundo ele, é difícil que as companhias listadas na B3 mantenham o nível atual de preços se o investidor acreditar na queda do minério de ferro. E não porque o mercado está ruim, mas sim pelo preço inviável da commodity a US$ 230, na opinião do gestor. 

“Se o preço do minério de ferro vai voltar, o do aço também vai, com o agravante do real se valorizando”, afirma, prevendo uma retomada de preços apenas em 2022. “Quando você começa a ver o preço para baixo, você não sabe se vai cair 50%, 60% ou 70%.”

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

B.Side Daily Report: bolsas globais apresentam tendência de alta após decisão do Fed; balanço da Vale, Caged e IGP-M são destaques

Bolsas globais sobem após reunião do Fed Os índices futuros americanos, com exceção do Nasdaq, operam em leve alta nesta quinta-feira, assim como as bolsas...

Fechamento B.Side: temporada de balanços e Fed mais dovish impulsionam Ibovespa para 126 mil pontos; dólar recua a R$ 5,10

Impulsionado pela temporada de balanços, o Ibovespa registrou alta de 1,34%, aos 126.285,59 pontos, com destaque para o setor bancário e Vale. Somado a isso,...

B.Side Daily Report: Decisão do Fed e temporada de balanços embalam mercado nesta quarta-feira; Santander anuncia saída de Rial como CEO

Mercado aguarda decisão de política monetária do Fed Os índices futuros americanos não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias operam no campo positivo, com...

Fechamento B.Side: Ibovespa cai aos 124 mil pontos com temores sobre intervenção da China e com o mercado à espera de Fed; dólar opera...

Em um clima de maior aversão a risco para mercado emergentes, o Ibovespa registrou queda de 1,10%, aos 124.612,03 pontos, também impactado pela cautela...

B.Side Daily Report: bolsas adotam cautela com restrições na China e aguardam balanços de gigantes nos EUA

Bolsas globais adotam cautela com restrições na China Os índices futuros americanos, com exceção do Nasdaq, e as bolsas europeias operam no campo negativo nesta...
Publicidade