B.Side – Carta de Junho ao Investidor

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Clique abaixo e baixe o conteúdo completo da carta mensal aos clientes da B.Side:


Leia alguns trechos da carta abaixo:

Cenário Internacional

No mercado internacional, o destaque do mês foi o pronunciamento mais hawkish do FOMC (Federal Open Market Committee) após a última reunião, sinalizando que o Fed está “alerta” com o potencial risco da inflação exacerbada nos EUA, e alterando a previsão do início do aumento da taxa de juros (anteriormente apenas em 2024) para dois aumentos de juros ao final de 2023 com base nas novas projeções macroeconômicas indicando maior crescimento do PIB e das expectativas de inflação. Além disso, percebeu-se também uma mudança no tom com relação ao tapering (redução da intensidade dos estímulos monetários) de “não estamos nem pensando em pensar sobre” para “estamos pensando em pensar sobre”, o que, traduzindo em linguagem comum significa: “podemos reduzir os estímulos econômicos antes do esperado, caso percebamos que a inflação muito acima da meta não seja transitória”.

Tal pronunciamento acabou dissipando um pouco do temor do mercado de que a inflação mais persistente nos EUA surpreendesse o Fed, que até então apresentava uma postura extremamente dovish e leniente, eventualmente forçando-o a aumentar os juros bruscamente, impactando de forma severa os ativos de risco globais. Como consequência, observamos um início do movimento de derotation, isto é, a migração do investimento em empresas de setores cíclicos (como industrials e financials) para empresas de tecnologia com alto crescimento consistente e, de certa forma, menos expostas ao cenário de crescimento global.

Algumas gestoras acreditam que, diferentemente do “Fed de 2013”, essa maior transparência do banco central americano, com um acompanhamento próximo das expectativas de inflação e crescimento do PIB e disposição para “segurar as rédeas” da inflação se necessário, (somado ao fim próximo dos pacotes de auxílio emergencial (o que contribui para a redução do desemprego) sejam indicativos de que o mercado não deve sofrer grandes impactos com o início do tapering (provavelmente ao final deste ano/início de 2022), portanto, justificando esse movimento de derotation. Ainda assim, o mercado global deve continuar acompanhando de perto os números de inflação americana nas próximas semanas.

De forma geral, seguimos otimistas com a recuperação global no curto e médio prazo, mas vale estar atento também ao risco de curto prazo associado a um eventual aumento do número de casos de coronavírus da variante Delta na Europa.

Cenário Doméstico

No mercado interno, a novidade acabou não agradando o mercado. No dia 25 de junho, o governo divulgou a proposta da Reforma Tributária, já apelidada de “pacote de maldade”. Segundo especialistas, a proposta veio com intuito genuíno de maior arrecadação pela Receita Federal, sem preocupação com o efeito das medidas nos investimentos e desenvolvimento econômico. Como consequência, o mercado tem apresentado maior volatilidade e realização dos lucros recentes na bolsa.

Apesar disso, continuamos positivos com o movimento de curto para bolsa, com a reabertura da economia puxada por um ritmo forte de vacinação, um cenário fiscal mais organizado e empresas listadas já em ritmo operacional acelerado e financeiramente saudáveis.

Com relação à inflação, os números vêm surpreendendo para cima semana-após-semana, sendo que o relatório Focus já indica um IPCA de 6,1% para 2021 e 3,8% para 2022, puxada principalmente pelo choque do preço dos alimentos, petróleo, energia elétrica, semicondutores e pela alta do dólar, somados também aos efeitos de base. Além disso, é possível que, com a reabertura da economia, o consumo das famílias tenda a pressionar o setor de serviços no segundo semestre. Como resultado, observamos uma abertura da curva de juros, já precificando que o Banco Central encerre o ciclo de aperto monetário acima da taxa de juros neutra, principalmente após a última ata, na qual o Copom descartou a possibilidade de encerrar o ciclo abaixo do juro neutro (hoje, em torno de 6,5%). Como exemplo, os contratos de DI com vencimento em abr/22 está negociando a taxa em torno de 6,38%, e o com vencimento em jan/23 a 7,275% (contra
5,585% a.a. e 6,955% no início de junho, respectivamente). As ausência de ruído político até antes da apresentação da proposta da Reforma Tributária e a abertura das taxas contribuíram para a valorização do Real frente ao Dólar, apesar da moeda local ter entregado os ganhos nos últimos dias devido às novas turbulências políticas.

Como principais riscos para o mercado, além da possível desancorarem da inflação e necessidade de aumento da Selic acima do juro neutro, destacamos (i) a crise hídrica, que apesar de ainda remoto, representa uma possibilidade de apagão, e (ii) uma eventual antecipação da corrida eleitoral já para o final deste ano (o que seria a maior antecipação da história do País), incentivando atitudes mais populistas do governo atual e aumentando a volatilidade dos mercados.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade