B.Side Insights

B.Side Stocks

“Magazine Luiza está sendo negociada a um bom preço e acreditamos que a empresa irá se recuperar”, diz André Ribeiro, gestor da Brasil Capital

“Magazine Luiza está sendo negociada a um bom preço e acreditamos que a empresa irá se recuperar”, diz André Ribeiro, gestor da Brasil Capital

Após registrar uma valorização impressionante de 109% em 2020, sendo a quarta maior alta do Ibovespa no ano passado, os papéis de Magazine Luiza tomaram caminho contrário em 2021 e acumulam perdas superiores a 40%, saindo de um patamar de R$ 26 para algo em torno de R$ 14 por ação.

Diante de um cenário macroeconômico desafiador, com teses frustadas de uma reabertura econômica mais robusta como especulado há alguns meses, um mau humor generalizado se instaurou entre as empresas ligadas ao varejo e à tecnologia, e Magazine Luiza foi uma das principais afetadas, mesmo apresentando resultados consistentes nos dois primeiros trimestre do ano, com a receita do e-commerce crescendo 46% em 2021.

Apesar da desvalorização nos últimos meses, André Ribeiro, gestor da Brasil Capital, asset com mais de R$ 11 bilhões sob gestão e com um dos melhores fundos de ações long only da indústria, afirmou ao B.Side Insights que se mantém positivo com o case. Inclusive, ele conta que tem aumentado gradualmente a posição na companhia, mas ainda tem Mercado Livre como a preferida para o setor.

Atualmente, o e-commerce brasileiro representa cerca de 10% das vendas do varejo no País, enquanto esse número nos Estados Unidos é de 20% e na China de 30%. No entanto, com a maior utilização da internet para consumo, é provável que daqui a cinco anos, o e-commerce brasileiro atinja algo em torno de 15% a 20% do varejo.

“Acreditamos que é uma tendência estrutural e Mercado Livre e Magazine Luiza serão dois dos ganhadores do Brasil. Só que com propostas diferentes”, afirma Ribeiro.

O gestor ainda chama atenção para o fato de as duas empresas operarem praticamente nos mesmos mercados, contudo o Mercado Livre anda em linha com o índice Nasdaq, dos Estados Unidos, enquanto Magalu segue o desempenho do varejo brasileiro, que vem sofrendo como um todo.

Mas o que deve acontecer daqui para frente? Segundo a Brasil Capital, a base de comparação do terceiro trimestre de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado é muito difícil, já que os três meses de 2020 registraram resultados robustos para o e-commerce. Porém, isso não quer dizer que os números serão ruins.

De acordo com projeções, Magazine Luiza deve seguir apresentando crescimento ante o mesmo período do ano passado, na parte de e-commerce, mas em ritmo menor. “Provavelmente vai crescer entre 20% e 25%. Cresceu 150% no ano passado, então crescer 25% em cima de 150% é dureza. E é ganho de market share no varejo”, avalia Ribeiro.

Outro ponto levado em consideração é em relação ao valor da companhia sobre o total de vendas, que já chegou a ser de três vezes e, hoje está em uma vez. Ou seja, a empresa vale uma vez sobre tudo o que ela vende, o que para Magazine Luiza é uma métrica bastante baixa historicamente.

Sendo assim, o gestor da Brasil Capital se mantém otimista com uma recuperação de preços da empresa. “Magazine Luiza está em um preço muito bom, está com a parte operacional muito forte, tem gente muito séria por trás e estamos convictos de que a companhia irá se recuperar”, finaliza.

Magazine Luiza x Mercado Livre

Apesar de Magazine Luiza e Mercado Livre não serem empresas totalmente comparáveis, já que a companhia argentina atua em praticamente toda a América Latina, enquanto a brasileira também conta com lojas físicas, os números parecem ser bem favoráveis para Magalu.

Quando comparadas as duas empresas, cerca de 2/3 do valor do Mercado Livre vem do Brasil, assim como a empresa vale cerca de R$ 400 bilhões em bolsa, quase R$ 270 bilhões do valor do negócio é atribuído ao território brasileiro. Já o Magazine Luiza vale algo em torno de R$ 95 milhões. Então, investidores estão atribuindo três vezes mais o valor ao Mercado Livre do Brasil do que Magalu, o que na visão da Brasil Capital é exagerado.

“O Mercado Livre nunca valeu tanto a mais do que o Magazine Luiza no Brasil quanto está valendo agora. Nos últimos 4 anos, essa distância já chegou a ser de só 30%, mas também achávamos exagerado. Mercado Livre tem que valer mais do que 30% do que Magalu no Brasil, mas 200% a mais é um exagero na nossa visão”, analista André Ribeiro.

Brasil Capital

Fundada em 2008, a Brasil Capital é considerada uma das principais casas do Brasil quando falamos de fundos de investimento em ações.

A asset tem uma abordagem bottom up, isto é, dando maior valor na avaliação para as especificidades de cada empresa antes de olhar para o cenário macroeconômico. A Brasil Capital investe em três pilares: 1) negócios dominantes em seus setores. 2) empresas que tenham um time de gestão acima da média e que seja capaz de dirigir a companhia em momentos difíceis. 3) procurar assimetrias, observando a diferença entre o valor pago e o valor que o ativo realmente vale, utilizando uma taxa interna de retorno (TIR) de horizonte de três anos.

A empresa se propõe a escolher entre 20 a 30 empresas, sendo que as dez principais posições correspondem, geralmente, entre 60% e 70% do fundo, enquanto as cinco principais posições equivalem a cerca de 40% dos investimentos.

Desde sua criação até setembro de 2021, o Brasil Capital FIC FIA entregou um retorno de 1.525,24%, enquanto o Ibovespa, no mesmo período, valorizou 171,81%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigo anterior B.Side Daily Report: bolsas globais têm novo dia de alta impulsionadas por balanços positivos do 3º tri; mercado monitora IBC-Br
Próxima artigo Fechamento B.Side: Ibovespa sobe aos 114 mil pontos acompanhando otimismo no exterior; dólar tem dia de alívio e cai a R$ 5,45