Faltam gestores capazes de levar pequenas e médias empresas para outro patamar, diz Carlos Lopes, sócio da Bluinvest

Assets, Fundos & Gestores

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Inflação no Brasil deve atingir pico em setembro, projeta Vinland Capital

Pela primeira vez em 2021, o Boletim Focus, relatório publicado pelo Banco Central com a mediana das expectativas do mercado, divulgado nesta segunda-feira (16),...

Mercado está ignorando risco de racionamento em 2022, diz CIO da RPS Capital

Um possível racionamento de energia em 2022 é um assunto pouco abordado atualmente no mercado, mas que tem um potencial relevante para ganhar os...

Fundamento do bitcoin não mudou mesmo com forte queda, afirma Hashdex

Após atingir o topo histórico em abril, cotado acima dos US$ 63 mil, o bitcoin passou por um movimento de queda livre nos meses...

No Brasil, há uma escassez de gestores experientes dispostos a atuar no mercado de pequenas e médias empresas voltado para inovação e escalabilidade de startups, que vêm crescendo em ritmo acelerado no Brasil há pelo menos uma década. Diante de tal constatação, o executivo Carlos Lopes resolveu deixar o Pátria Investimentos, líder em gestão de ativos alternativos na América Latina, depois de cinco anos para fundar a Bluinvest, sua própria gestora de venture capital, ao lado de mais três sócios.

“Nesse mercado ainda não há gestores o suficiente para realmente ajudar as empresas no nível que elas precisam para alcançar outro patamar”, afirma Lopes em entrevista ao B.Side Insights.

O primeiro fundo da Bluinvest, fundada em março do ano passado em plena pandemia, ainda se encontra em fase de captação e espera alcançar entre US$ 20 e 25 milhões para montar um portfólio que contará com 10 a 15 empresas. Metade do capital será investido em companhias que demandam capital semente, enquanto o restante será reservado para follow ons (ofertas subsequentes), a fim de melhorar o retorno do investidor nos cases que estiverem fazendo mais sucesso.

Segundo Lopes, o momento é favorável para quem procura por investimentos alternativos como forma de diversificação diante de um cenário de juros baixos no Brasil e destaca que o produto faz mais sentido para quem tem um patrimônio a partir de R$ 5 milhões.

Tese de investimento da gestora

O fundo da Bluinvest tem como grande foco investir em segmentos pelos quais os sócios da casa já tiveram alguma experiência de sucesso: consumo (mais focado em alimentação), saúde e serviços (logística, distribuição e e-commerce). “Esses três setores no Brasil tendem a ser resilientes, com muitas oportunidades de crescimento, independente do ciclo”, explica Carlos Lopes.

Para entrar no portfólio, a startup necessita já ter demonstrado alguma tração, ou no faturamento ou com aquisição de clientes, e estar em um estágio de transição entre o capital anjo e o investimento semente. “O objetivo é que o nosso aporte (de capital e de conhecimento) seja de um período de 18 a 24 meses e que dure esse tempo para atingir algumas metas que variam de acordo com a empresa”, explica o sócio.

Após analisar mais de 100 empresas, a Bluinvest decidiu ter três nomes relevantes na carteira: a empresa de telemedicina Telmed, a empresa de cannabis medicinal ReMederi e a fintech de meios de pagamento ZemoBank. “Todas com viés tecnológico e com alta escalabilidade”, diz Lopes.

Diferenciais da Bluinvest

Além da expertise nos setores em que atua, o gestor Carlos Lopes destaca outros pontos que diferenciam a Bluinvest no mercado de venture capital.

O primeiro deles é a equipe que considera sênior e multidisciplinar. Ele próprio junto com o Pedro Vazquez, são focados no lado financeiro, com mais de 15 anos investindo em empresas privadas e as auxiliando na sua gestão financeira, captação de recursos e governança. Já Marlon Ramirez, co-fundador da Azul Linhas Aéreas e Modern Logistics, alavanca a sua experiência de mais de 20 anos empreendendo para apoiar as empresas no planejamento estratégico e gestão empresarial. Rodrigo Conde, com experiência em blockchain e inteligência artificial traz um viés tecnológico, tendo liderado a aceleradora do Facebook onde fomentou o crescimento de alguns unicórnios brasileiros incluindo Nubank, 99 e Gympass.

Outro fator é o foco em avaliar os empreendedores dos negócios e como os apoiar dentro de uma jornada de venture capital. Para isso, a Bluinvest conta com a empresa de recursos humanos FESA para realizar avaliações profundas baseadas em competências do fundador e principais líderes das startups. “70% da avaliação de uma empresa nesse estágio é o empreendedor.”

Por último, Lopes destaca a rede de relacionamento construída por sua gestora, com conversas com os principais grupos de investidores anjos, aceleradoras e incubadoras. “Esses três grupos são uma grande fonte de informação de empresas que estão saindo de um estágio pré-semente, de incubação de ideias, e buscando capital semente para acelerar o crescimento”, finaliza.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: bancos e commodities puxam Ibovespa para cima na contramão de NY; dólar sobe a R$ 5,37

Impulsionado pelo bom desempenho das commodities e do setor bancário, o Ibovespa registrou leves ganhos de 0,27%, aos 113.583,01 pontos. A alta do minério...

B.Side Daily Report: bolsas globais não definem sinal único em dia de valorização de commodities; Focus mostra 25ª alta seguida do IPCA

Bolsas iniciam a semana com desempenhos mistos Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias operam majoritariamente no campo...

Fechamento B.Side: Ibovespa recua aos 113 mil pontos pressionado por exterior negativo e inflação persistente; dólar sobe a R$ 5,34

Contaminado pelo clima de maior pessimismo no exterior, o Ibovespa encerrou a sequência de três altas consecutivas e registrou queda de 0,69%, aos 113.282,67...

O futuro da Apple depois de seu último lançamento

Na semana passada, a Apple apresentou a sua nova linha de produtos, com mudanças em todos os segmentos, ainda que sem grandes novidades tecnológicas...

B.Side Daily Report: bolsas globais recuam com temores renovados sobre Evergrande; mercado monitora IPCA-15 de setembro

Bolsas globais caem com temores renovados sobre Evergrande Os índices futuros de Nova York e as bolsas europeias operam em queda nesta sexta-feira, após a...
Publicidade