Seguro de vida pode ser utilizado como ferramenta de sucessão para investidor private

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Um seguro de vida faz sentido para um investidor private, que já possui um patrimônio considerável? A resposta é depende, segundo Fernando Brito, sócio e responsável pela área de vida na corretora de seguros Globus.

Ele explica que o público private não precisa especificamente da indenização do seguro, mas pode eventualmente ter benefícios jurídicos e tributários que essa estrutura entrega em relação a outros produtos que compõem sua carteira pensando em uma sucessão patrimonial.

Quando alguém falece e deixa bens, é necessário verificar quem tem o direito ao patrimônio dessa pessoa. E a maneira de regularizar a situação é por meio do processo de inventário e partilha com o objetivo de formalizar a transmissão dos bens do falecido para seus sucessores. O procedimento não costuma ser rápido e os custos de transmissão podem ultrapassar 10%, o que pode ser caro no curto prazo e necessitar de uma liquidez imediata disponível entre os herdeiros para a eventual sucessão.

“O seguro de vida trará um dinheiro que o patrimônio não está preparado para entregar na sua sucessão”, diz Brito em entrevista ao B.Side Insights, acrescentando que o seguro legalmente tem que ser pago em 30 dias, mas que o prazo tende a ser menor. “Só faz sentido o investidor private ter seguro de vida se tiver essa parte (de sucessão) defasada. Caso já tenha isso resolvido, não faz sentido, exceto caso deseje entregar mais liquidez aos herdeiros com benefícios fiscais.”

Para escolher um bom seguro de vida e não cair em “ciladas”, Brito aconselha todos os seus clientes a responderem apenas duas perguntas. A primeira é qual o valor que o cliente precisa e a segunda é qual o prazo de sua necessidade. Ele, inclusive, alerta para os seguros que são renovados ano a ano, com o risco de tornar os valores impagáveis de tão caros com as atualizações por faixa etária. O mais recomendável é ter o prazo do contrato na apólice.

“Se eu defino na entrada o tempo de contrato, eu cravo a probabilidade. Logo a minha parcela será a mesma do início ao fim. Se fizer isso, você consegue fugir de 90% das pegadinhas”, afirma.

Brasileiro dá mais atenção ao seguro de vida em época de pandemia

De acordo com estatísticas da Fenaprev, o ano de 2020 terminou com uma arrecadação de prêmio de R$ 45 bilhões em seguros voltados a acidentes ou falecimento. Quando comparado ao PIB brasileiro, de cerca de R$ 7,4 trilhões, o número representa 0,6% dos bens e serviços produzidos pelo País. No exterior, a soma gira em torno de 5% a 7%.

No entanto, o dado que chama atenção é o aumento de quase 30% no valor destinado a seguros de vida individuais, o que na visão de Brito é um efeito da pandemia de covid-19. De acordo com ele, as escolhas feitas com pressa tendem a gerar um número maior de decisões equivocadas. 

“O brasileiro se movimenta quando dói no bolso ou quando sente muito medo. Então não necessariamente uma elevação de 29% de um ano para o outro são prêmio ‘positivos’ no sentido de qualidade de produto”, opina Brito.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade