Preço do minério de ferro e bom momento da Vale elevam atratividade de debêntures participativas da mineradora

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

As debêntures participativas de Vale vêm chamando a atenção do mercado, principalmente depois que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a União anunciaram a venda desses títulos de renda fixa em uma operação que movimentou cerca de R$ 11,5 bilhões no mês passado.

Em 31 de dezembro de 2020, havia em circulação 388.559.056 de debêntures participativas de Vale (ou cerca de R$ 22 bilhões), e o BNDES e a União eram titulares de aproximadamente 55% do total das debêntures.

Os papéis que foram inicialmente vendidos por R$ 0,01 em 1997, atualmente são negociados na casa dos R$ 60 no mercado secundário, mas mesmo assim são apontados como atrativos e com espaço de valorização pela trajetória de alta do minério de ferro e pelo bom momento pelo qual a Vale vem passando, refletido nas ações da mineradora que se encontram em suas máximas históricas, negociadas na Bolsa de Valores acima de R$ 110.

Caso tenha interesse no papel, é necessário entrar em contato com algum relationship manager da B.Side Investimentos para reserva das debêntures participativas.

O que são debêntures participativas

Negociadas sob o ticker de CVRDA6, as debêntures participativas da Vale são títulos de dívida que foram emitidos em 1997 em meio à privatização da companhia, viabilizando que o governo federal e demais acionistas pudessem participar dos ganhos com os direitos minerários da empresa depois da desestatização e mitigar riscos relacionados à atividade de mineração.

A venda do BNDES permitiu que uma maior quantidade dos papéis CVRDA6 fosse negociada no mercado secundário, fato que culminou na pulverização da base de investidores, em um movimento que tende a fomentar ainda mais a liquidez das debêntures participativas. 

Características da CVRDA6

Ao contrário de outros títulos de dívida emitidos pela Vale, as debêntures participativas têm como principal característica seu fluxo de caixa dolarizado (mais próximo de um bond emitido no exterior) e a remuneração híbrida (uma parte como renda fixa e outra como renda variável). Vale ressaltar que o CVRDA6 é perpétuo, não tendo nenhuma data de vencimento.

Detalhando a remuneração da debênture, a parte de renda fixa está atrelada à obrigatoriedade do pagamento de remuneração semestral nos meses de abril e outubro. Já a parcela de renda variável gira em torno da performance financeira dos principais ativos da Vale, vinculada ao Sistema Norte de Carajás e um aumento da remuneração quando houver a inclusão dos ativos do Sistema Sudeste. 

Além disso, apesar do preço ser negociado em reais, a remuneração (prêmio) também depende, principalmente, do preço do minério de ferro (commodity negociada em dólares no mercado internacional).

Na ordem de preferência, os títulos são subordinados às demais classes de dívida da Vale, porém são sêniores às ações da companhia.  Porém, ao contrário dos acionistas da Vale, os credores da companhia – inclusive os detentores dos papéis CVRDA6 – não compartilham dos riscos inerentes ao negócio de mineração como passivos ambientais, tributários e trabalhistas.

Cenário para investimento na CVRDA6

No cenário-base estipulado pelo BTG Pactual, que contempla a normalização do preço do minério de ferro no longo prazo, o ativo oferece um yield dolarizado de 8,5% (ou 7,1% em um cenário alternativo), com uma remuneração mais atrativa do que outros títulos de renda fixa da Vale.

Atualmente, o minério de ferro é cotado acima de US$ 190 e segue com boas perspectivas diante da recuperação econômica chinesa, país com a maior demanda pela commodity, e o pacote de infraestrutura dos Estados Unidos apresentado pelo presidente Joe Biden.

Apesar de não existir vencimento para o papel, existem boas chances de a Vale vir a mercado em algum momento comprar esses títulos, mesmo que não tenha o chamado “call option” ou direito de recompra. Em caso de oferta pública acima do preço que está negociando, cabe ao detentor da debênture aceitar vender ou não.

Esse cenário, no entanto, é para o médio prazo, já que a empresa comunicou em março que não considera a recompra antecipada das debêntures neste momento, pois a estratégia não é prioridade na sua alocação de capital. Além disso, a mineradora não pode recomprar as debêntures a um preço igual ou inferior ao negociado no mercado secundário, o que desincentiva essa possibilidade no curto prazo.

Publicidade

Recomendado

2 COMENTÁRIOS

  1. Muito bom dia, gostaria de saber se, existe alguma projeção em R$, para o pagamento da CVRDA6 para Outubro de 2021?. Muito obrigado pela atenção.

    • Olá, Tiago.
      Segundo o BTG Pactual, as estimativas sugerem que o próximo prêmio será de aproximadamente R$ 3,45 a R$ 3,50 por debênture. O cenário-base do banco ainda indica um prêmio de R$ 3,78 por papel no 2º semestre de 21 (pagamento previsto em abr-22).

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade