Haverá uma segunda onda de inflação ainda mais perigosa no ano que vem, afirma Luca Paolini, estrategista-chefe da Pictet

Assets, Fundos & Gestores

Fundamento do bitcoin não mudou mesmo com forte queda, afirma Hashdex

Após atingir o topo histórico em abril, cotado acima dos US$ 63 mil, o bitcoin passou por um movimento de queda livre nos meses...

Conhecida entre os single e multi family offices, RPS Capital abre leque para captação em plataformas de investimento

Bastante conhecida entre single e multi family offices, a RPS Capital, asset com aproximadamente R$ 3 bilhões sob gestão, agora também está disponível nas...

Acabou o grande “boom” dos Estados Unidos, afirma CIO da O3 Capital

Depois de um primeiro semestre de 2021 forte para a economia americana, apoiada por um pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão, uma política monetária...

O3 Capital completa seis meses após abrir para captação estratégia de 7 anos de Abilio Diniz

Antes focada exclusivamente na administração de recursos da Península, holding de investimentos do empresário Abilio Diniz, a gestora O3 Capital completou seis meses desde...

Diante de uma discussão global a respeito de quanto tempo irão durar as pressões inflacionárias dos Estados Unidos, Luca Paolini, estrategista-chefe da Pictet, gestora suíça com mais de US$ 180 bilhões sob gestão, alertou para a possibilidade de haver uma segunda onda de inflação no país “ainda mais perigosa” no ano que vem.

“Talvez o mercado seja pego de surpresa”, afirmou Paolini, em participação na 3ª edição do evento Global Managers Conference, promovido pelo BTG Pactual.

O estrategista-chefe da Pictet ainda disse que trabalha com um cenário no qual a economia global passará por uma recuperação sólida que irá durar alguns anos, apoiada por uma quantidade massiva de estímulos, que representam atualmente 16% do PIB em mercados desenvolvidos. “A economia está seguindo seus fundamentos e o desafio que nós temos é a inflação”, analisou Paolini.

Com opinião contrária, Rob Almeida, estrategista de investimentos globais da MFS, gestora americana com mais de US$ 450 bilhões sob gestão, disse que uma vez que os benefícios do governo americano sumirem, não haverá um crescimento de renda que sustente essas pressões inflacionárias. “Acredito que elas irão sumir”, opinou Almeida.

Rob Almeida, estrategista de investimentos globais da MFS

Segundo o estrategista da MFS, quando efeito dos estímulos forem dissipados, todos os problemas que víamos antes da pandemia voltarão à tona como empresas com um alto endividamento e uma demografia que vinha causando um impacto deflacionário no mundo ao longo dos últimos sete ou oito anos. 

“Em uma recessão, temos que eliminar devidamente os excessos daquilo que estava errado no ciclo passado e isso não aconteceu”, afirmou Almeida.

Atuação do Fed

De acordo com Luca Paolini, o mercado também poderá ter uma surpresa em relação à postura do Federal Reserve, o banco central americano. Para ele, o Fed deverá promover um aumento de juros no final de 2022, cenário que investidores já vêm precificando, mas em um grau de estímulo mais elevado. “Eu acho que quando o Fed começar a elevar (os juros), ele vai aumentar mais do que o esperado”, afirmou o estrategista da Pictet.

Já Rob Almeida alertou para uma visão de “novos investidores” que ingressaram no mercado financeiro a partir de 2008 de que os bancos centrais possam gerar riqueza. “Eles podem criar dinheiro, mas não riqueza”, explicou, pregando cautela para o nível de compras das instituições monetárias ao redor do mundo. “Todos os bancos centrais compram US$ 1 bilhão a cada hora nos últimos meses. Teremos ativos cujos preços sofrerão.”

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

B.Side Daily Report: bolsas globais apresentam tendência de alta após decisão do Fed; balanço da Vale, Caged e IGP-M são destaques

Bolsas globais sobem após reunião do Fed Os índices futuros americanos, com exceção do Nasdaq, operam em leve alta nesta quinta-feira, assim como as bolsas...

Fechamento B.Side: temporada de balanços e Fed mais dovish impulsionam Ibovespa para 126 mil pontos; dólar recua a R$ 5,10

Impulsionado pela temporada de balanços, o Ibovespa registrou alta de 1,34%, aos 126.285,59 pontos, com destaque para o setor bancário e Vale. Somado a isso,...

B.Side Daily Report: Decisão do Fed e temporada de balanços embalam mercado nesta quarta-feira; Santander anuncia saída de Rial como CEO

Mercado aguarda decisão de política monetária do Fed Os índices futuros americanos não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias operam no campo positivo, com...

Fechamento B.Side: Ibovespa cai aos 124 mil pontos com temores sobre intervenção da China e com o mercado à espera de Fed; dólar opera...

Em um clima de maior aversão a risco para mercado emergentes, o Ibovespa registrou queda de 1,10%, aos 124.612,03 pontos, também impactado pela cautela...

B.Side Daily Report: bolsas adotam cautela com restrições na China e aguardam balanços de gigantes nos EUA

Bolsas globais adotam cautela com restrições na China Os índices futuros americanos, com exceção do Nasdaq, e as bolsas europeias operam no campo negativo nesta...
Publicidade