Mercado está ignorando risco de racionamento em 2022, diz CIO da RPS Capital

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Um possível racionamento de energia em 2022 é um assunto pouco abordado atualmente no mercado, mas que tem um potencial relevante para ganhar os holofotes no segundo semestre e com um risco que está longe de poder ser desprezado na opinião da RPS Capital, asset com cerca de R$ 3 bilhões sob gestão. 

A tese da gestora é que o Brasil entrará no período de chuvas com os reservatórios das hidrelétricas que atendem o subsistema Sudeste/Centro-Oeste – que correspondem a 70% do volume de água armazenado para geração de energia elétrica e por mais da metade do consumo de eletricidade no País – com níveis abaixo do período de 2001, marcado pela chamada crise do apagão. Assim, a dependência das chuvas no verão será gigantesca.

“Pode ser que chova muito pouco no nosso verão e se isso acontecer será o caos, porque estaremos praticamente sem reservas para 2022”, alerta Paolo Di Sora, CIO da RPS Capital, em entrevista ao B.Side Insights.

De acordo com Di Sora, o mercado calcula uma probabilidade de 14% a 25% de haver um problema mais sério de racionamento, contudo a RPS trabalha com uma chance maior de isso acontecer.

“Se a chuva não vier pode ser que essas projeções de PIB para o ano que vem na faixa de 2,5% a 3% estejam totalmente equivocadas, porque não haverá energia para fazer o País crescer”, afirma o CIO da RPS. “E mesmo que chova um pouco mais, o problema de energia está aí para ficar. Se não for em 2022, pode ser em 2023 ou 2024 devido ao problema de infraestrutura no Brasil.”

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade