Carta de Agosto ao Investidor

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Clique abaixo e baixe o conteúdo completo da carta mensal aos clientes da B.Side:

Cenário Internacional

Desde nossa última carta, dados de atividade global têm indicado uma desaceleração no crescimento, o que já era esperada, tendo em vista o rápido crescimento nos últimos meses, a variante Delta e a normalização com menos estímulos fiscais na escala global. Além disso, vários países ao redor do mundo – incluindo Alemanha, UK, Canadá, EUA e países da América Latina – têm apresentado inflação elevada por conta da continuidade dos atrasos e escassez nas cadeias globais de produção, além de setores mais ligados à reabertura das economias. Dessa forma, o mercado segue vigilante com a possibilidade de um cenário de menor do crescimento, menor liquidez por parte da política monetária e inflação ainda em nível elevado quando comparado com o passado. Ainda assim, os resultados das empresas devem seguir acima da tendência pré-Covid.

O mercado também segue atento com a nova onda da pandemia pela variante Delta na Ásia e Oceania, em países com menor imunidade de rebanho desenvolvida (mais eficaz que a vacina) reduzindo a expectativa de crescimento no terceiro trimestre e impactando cadeias de valor de diversos segmentos (principalmente de commodities) ao redor do mundo e, consequentemente, o fluxo de capital para emergentes. Somado à isso, o avanço na agenda ESG da China também contribuiu para a correção no preço do minério de ferro. Os movimentos regulatórios no país também seguem no radar, levando a redução da exposição ao país no portfolio de investidores globais.

Nos EUA, a curva de juros foi impactada (abriu) pela mudança na expectativa de mercado sobre o anúncio do tapering, com o FOMC reiterando em sua última ata que parte dos dirigentes avalia que a economia progrediu em direção aos objetivos do comitê envolvendo o emprego “máximo” e a estabilidade dos preços, sendo a inflação atual transitória. No entanto, dado o último resultado do payroll significativamente abaixo das estimativas, o mercado ainda segue dividido em relação à expectativa do início do tapering (se ocorrerá em nov/21 ou dez/21) e do ciclo de aumento da taxa básica de juros (entre 2T22, de acordo com o Consenso Bloomberg e 4T22, de acordo com Membros do FOMC.

Cenário Doméstico

No âmbito político e fiscal do Brasil, o foco ainda gira em torno do debate do orçamento para 2022, do futuro dos precatórios e da definição do novo valor para a Bolsa Família, podendo colocar em xeque o rigor fiscal do Teto de Gastos. Além desses pontos, vem fazendo preço também as incertezas políticas quanto à Reforma Tributária e Administrativa, agravadas com a crise institucional, principalmente após o feriado do 7 de setembro. O acompanhamento por parte do mercado envolvendo a temática fiscal deve continuar ao longo do mês.

O risco de desancoragem das expectativas da inflação, por sua vez, continua crescendo, puxado pelos mesmos itens – gasolina, energia e alimentos in natura – sendo os dois últimos influenciados pela escassez das chuvas e sem efeito direto da política monetária. O cenário atual do BTG Pactual para o IPCA de 2021 é de 8,1% a.a. (vs. 7,58% a.a. do Focus), com alguns riscos altistas envolvendo o cenário hídrico e uma probabilidade maior de uma nova ocorrência de La Niña no período úmido neste final de ano. Também vale pontuar que, quanto mais elevado for a inflação no final deste ano, menor é o espaço no teto dos gastos para destinar à novos gastos sociais. A projeção da Selic do banco é de 7,5% a.a.
para 2021 e 8% a.a. para 2022 (vs. 7,63% a.a. e 7,75% a.a. do Focus, respectivamente).

Enquanto o fiscal e o cenário inflacionário chamam atenção, o cenário de atividade ainda segue positivo com o ritmo acelerado de vacinação, na marca de 2 milhões de doses por dia, melhorando os índices de mobilidade e mantendo o cenário de reabertura da economia.

Além disso, o fato de o Brasil já estar bem avançado na vacinação (com expectativa de 70% da população parcialmente imunizada até o final de setembro) e de ter desenvolvido imunidade de rebanho superior aos demais países avançados na vacinação nos faz acreditar que a variante Delta terá menos efeito domesticamente.

Apesar do PIB ter recuado 0,1% no 2T21, puxado pela indústria, o cenário base do BTG é de 5,3% a.a. para 2021 (vs. 5,15% a.a. do Focus) para este ano. Em 2022 a estimativa é de crescimento de 2,2%, suportado pela recomposição de estoque na indústria e do volume de serviços prestados, porém, há um risco elevado da política monetária e crise hídrica atuarem com efeito contracionista no ritmo de recuperação.

Os fatores mencionados acima justificam, em parte, a alta recente dos juros de forma muito mais intensa que a queda na bolsa e a elevação do CDS do Brasil; inclusive, observamos uma entrada de capital estrangeiro na bolsa brasileira ao longo desde o início de agosto, de forma paralela à retirada de risco pelos multimercados locais. Ou seja, de um lado a manutenção dos fundamentos macroeconômicos de recuperação econômica e os resultados robustos das empresas públicas
seguraram a bolsa e o CDS, do outro, o risco fiscal e ruídos políticos causaram a elevação dos juros, reduzindo o desequilíbrio entre bolsa e juros presente anteriormente.



Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade