Em abril já estava claro que a Evergrande estava entrando em território negativo, afirma Quasar

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Na última semana, o mercado foi tomado por uma onda de estresse e volatilidade causada pela crise da incorporadora chinesa Evergrande, que detém uma dívida de cerca de US$ 300 bilhões, e mostra dificuldades para honrar seus compromissos de curto prazo. No entanto, aparentemente a situação parece cada vez mais controlada, com agentes apostando em uma intervenção do governo da China para evitar um colapso da empresa e de uma possível contaminação do setor imobiliário do país.

Convidamos, então, Ulisses de Oliveira, cogestor dos fundos Quasar International, asset independente com R$ 3,4 bilhões sob gestão, para comentar as perspectivas da Evergrande, do setor imobiliário na China e do impacto no mercado global.

Confira abaixo as respostas do especialista em bonds e mercados emergentes ao B.Side Insights:

B.Side – Vocês investiram durante quanto tempo em títulos da Evergrande e como foi a decisão de zerar a posição na empresa? Quando o case começou a ser arriscado demais na visão de vocês?

Ulisses de Oliveira – Já havíamos comprado e vendido outrora, mas a última vez foi em abril de 2021, portanto houve bastante tempo para qualquer investidor sair do papel, na casa dos US$ 87 (atualmente em US$ 25/27).

Já em abril, e sendo a referência do setor (principalmente para o mercado High Yield em Mercados Emergentes) estava claro para a equipe que o book value (valor contábil) da empresa de construção estava entrando em território negativo face suas participações em coligadas (em particular a New Energy, empresa de veículos elétricos que até hoje ainda não produziu nenhum carro). Para nós bastava.

B.Side – O que acontecerá na opinião de vocês com a Evergrande? Haverá default (calote)? Haverá uma intervenção do governo chinês?

Ulisses de Oliveira – Hoje, o mercado já cogita uma intervenção do governo chinês na companhia. Acreditamos que para haver uma forma ordenada de recebimento dos compromissos é preciso:
1) entregar as unidades aos mutuários 2) garantir o pagamento à cadeia de insumos 3) pagar os credores bancários (estatais chineses) e PFs com “trust loans” (empréstimos de curto prazo, uma espécie de “hot money“). Não necessariamente nesta ordem. Não acreditamos em Nirvana para os debenturistas locais, bondholders estrangeiros e/ou acionistas, sendo que o acionista principal da companhia, provavelmente, terá que dar boas explicações ao Partido Comunista da China (PCC) sobre toda essa bagunça.

B.Side – Como vocês enxergam atualmente o mercado imobiliário da China em geral diante dessa crise da Evergrande?

Ulisses de Oliveira – O mercado imobiliário chinês passa por um momento de alta volatilidade devido as incertezas geradas pela crise da Evergrande. Porém, o setor deve normalizar após a definição da restruturação da empresa com credores, criando oportunidades de investimento assimétricas no setor com empresas mais bem posicionadas e com melhor perfil de endividamento. Em todo caso, o mercado imobiliário representa grande parte do PIB chinês e é do interesse do governo garantir que os imóveis sejam entregues para evitar diminuição da confiança no setor e queda generalizada nos preços de imóveis.

B.Side -Há algum paralelo com o Lehman Brothers? O que é equiparável e o que é totalmente diferente de 2008?

Ulisses de Oliveira – Absolutamente não. Se compararmos a exposição bancária ao setor de imobiliário para a Evergrande, temos que: representa 5,3% do total do setor de construção, 3,2% do setor imobiliário e 0,17% do total de empréstimos, portanto, vemos aqui que os números têm interdependência. Além disso, pelo fato de o setor imobiliário ser um importante bastião da economia chinesa (representa 25% do PIB), a mesma tem um comando planificado e centralizado e o seus consumidores não tão alavancados em hipotecas quanto eram os americanos. A razão primária das 3 linhas vermelhas (política do governo da China) é frear um potencial Lehman 2008. Temos ainda que o mercado de capitais/bancos, na média, representa 24% para todos as construtoras (1S21), sendo assim não é seu principal meio de financiamento para atividades de desenvolvimento imobiliário, e sim pagamentos de pré-vendas de cliente com 49% do total, seguido de 27% de injeções dos próprios acionistas para começar tais empreendimentos. Sim, temos um processo de arrefecimento de preços, temos um barco em águas turbulentas, a Evergrande irá se danificar no processo, pode ter outras (a China tem entre 20 e 25 mil construtoras no continente, das quais aproximadamente 80 são listadas em Hong Kong), mas não vemos paralelos.

B.Side – Atualmente, como vocês estão posicionados em China?

Ulisses de Oliveira – Nosso fundo tem aproximadamente 26% em China. Acreditamos que a saída do “elefante da sala”, digo Evergrande (a qual já não tínhamos conforme dito acima desde abril 2021), representa o ponto de inflexão do mercado e estamos posicionados para a volta. Tudo que cai, sempre volta, basta lembrar de 2020. Vida que segue…

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade