Seguro de vida pode ser utilizado como ferramenta financeira para gerenciamento de risco

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Nos últimos anos, a contratação de seguros de vida no Brasil ultrapassou o número de seguros de automóveis. Antes negociados apenas como um meio de estreitar o relacionamento com os grandes bancos, os seguros de vida passaram a ser ofertados também como ferramentas financeiras.

“Seguro de vida nada mais é do que um aluguel para imprevistos”, afirma Victor Auge, especialista de seguros do BTG Pactual, em conversa com o B.Side Insights.

Na maioria dos casos, um seguro de vida faz sentido em duas situações: 1) quando se identifica que um cliente tem uma necessidade superior ao tamanho de seu patrimônio e 2) quando é necessário estruturar uma sucessão patrimonial, com o seguro sendo a forma mais barata e alavancada que existe no mundo.

“O seguro de vida individual ainda representa uma pequena fatia do mercado, porque ele é um seguro personalizado, não dá para ser aplicado em grande escala, então é um produto diferenciado”, explica Auge.

Seguro ou previdência privada para sucessão

Devo escolher entre um seguro de vida ou uma previdência privada para um planejamento sucessório? A resposta é depende, podendo ser ambos. 

Hoje, na maioria dos estados as previdências privadas (PGBL e VGBL) entram no cálculo do Imposto de Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD), tributo estadual que incide sobre todos os bens transmitidos aos herdeiros. Em São Paulo, onde o tributo atualmente é isento, tramita na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp) um projeto de lei que propõe uma série de ajustes fiscais, entre eles a cobrança de ITCMD sobre a transmissão de PGBL e VGBL.

Em contrapartida, não há a necessidade de declarar o seguro no imposto de renda.

“Mundialmente, o seguro de vida é a ferramenta hoje mais utilizada para sucessão, principalmente nos países onde a alíquota de imposto é altíssima”, diz Auge, acrescentando que o seguro serve como uma proteção de carteira, evitando resgates inesperados por motivos emergenciais.

Entre as principais diferenças entre os dois produtos, o seguro de vida traz alavancagem logo na largada, enquanto a previdência não traz a alavancagem nos primeiros anos de distribuição. Em um exemplo, se um investidor necessita de R$ 1 milhão de liquidez para sucessão, ele precisará aportar o valor total de R$ 1 milhão na previdência, enquanto no seguro pode comprar a mesma proteção com um valor inferior a 10% do que precisa.

“A previdência não traz alavancagem, já que para ter determinado valor é necessário aportar e dar tempo ao tempo. O seguro te proporciona desde já o valor estipulado e há a possibilidade de ser resgatável lá na frente. A previdência é um produto complementar ao seguro”, complementa o especialista.

Publicidade

Recomendado

2 COMENTÁRIOS

    • Boa tarde, Alexandre.
      Um de nossos especialistas entrará em contato para entender suas necessidades e checar qual produto se adequa melhor ao seu perfil.
      Qualquer dúvida, estamos à disposição.

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade