Fechamento B.Side: Ibovespa recua aos 113 mil pontos pressionado por exterior negativo e inflação persistente; dólar sobe a R$ 5,34

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

Contaminado pelo clima de maior pessimismo no exterior, o Ibovespa encerrou a sequência de três altas consecutivas e registrou queda de 0,69%, aos 113.282,67 pontos. O índice teve desempenho positivo na semana, com valorização de 1,65%.

Somado à maior aversão a risco lá fora, também pesou o IPCA-15 de setembro mais forte do que o esperado. O indicador de inflação acelerou 1,14%, na maior alta para o mês desde 1994. Em Brasília, o relator da reforma do Imposto de Renda (IR), senador Angelo Coronel (PSD-BA), declarou que a votação do projeto pode ficar para 2022, porque seria “irresponsável” apresentar um parecer sem ouvir empresários, Estados e municípios.

Em Wall Street, as bolsas americanas não definiram sinal único, mas fecharam próximas da estabilidade, enquanto as bolsas europeias caíram em bloco. Investidores adotaram cautela na sessão desta sexta-feira ainda acompanhando os desdobramentos da crise envolvendo a incorporadora chinesa Evergrande. Além disso, os Treasuries seguiram em trajetória de alta, ainda reagindo à indicação do Federal Reserve de que poderá iniciar a redução do volume de compras de ativos (tapering) em novembro.

No mercado de câmbio, o dólar à vista subiu 0,64%, cotado a R$ 5,3438, também refletindo o sentimento de precaução no exterior e a persistente pressão inflacionária no Brasil. Hoje, a moeda americana registrou ganhos ante a maioria das divisas, desenvolvidas ou emergentes. Na semana, o dólar teve valorização de 1,16% em relação ao real.

Destaques da Bolsa

Entre os destaques do dia na B3, os frigoríficos subiram em bloco, com um forte fluxo de compra de investidores estrangeiros. Um relatório do Morgan Stanley afirmou que “simplesmente não há carne suficiente no planeta agora”. Minerva ON se valorizou 4,52%, seguida por alta de 3,72% para JBS ON, avanço de 2,68% para BRF ON e acréscimo de 1,12% para Marfrig ON.

Já os papéis de PetroRio ON aceleraram 3,87%, acompanhando a alta dos preços do petróleo. Ainda no setor, Petrobras PN subiu 0,22%.

Pelo lado negativo, as ações de Méliuz ON tombaram 7,09%, dando sequência às sessões de extrema volatilidade envolvendo a companhia. Ainda, o resultado mais forte do IPCA-15 também afeta a Méliuz, além das varejistas. Nesse cenário, Americanas SA ON recuou 3,55%, Magazine Luiza ON caiu 1,51% e Via ON perdeu 1,05%.

Os setores bancário e de mineração e siderurgia (mesmo com a valorização do minério de ferro) tiveram um dia de perdas, impactados por temores externos sobre a crise da Evergrande. Itaú Unibanco PN se desvalorizou 1,39%, Bradesco PN registrou baixa de 2,22% e Banco do Brasil ON teve decréscimo de 0,78%, enquanto Vale ON cedeu 1,55%, Usiminas PNA caiu 2,16% e CSN ON teve queda de 3,59%.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade