Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

Assets, Fundos & Gestores

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

Por que o Newton Tech Fund não investe na B3 quando o assunto é tech?

Atualmente, 10 meses após o lançamento do Newton Tech Fund, disponível na plataforma do BTG Pactual, uma pergunta com certeza sempre vai acompanhar o...

Quantitas projeta Selic a 10% em 2022 para depois retornar a 6,5% em 2023

Diante de um cenário de pressão inflacionária no Brasil e no mundo, a Quantitas, asset independente com mais de R$ 4 bilhões sob gestão,...

Fundos multimercado macro juntam os cacos após tombo no Brasil e aumentam posições no exterior

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia...

2021 definitivamente não tem sido um ano fácil para os fundos multimercados, principalmente os da categoria macro, isto é, aqueles que têm uma estratégia baseada em indicadores e no cenário macroeconômico. Acostumadas a gerar retornos de dois dígitos nos últimos anos, grandes gestoras têm tido dificuldade para entregar uma rentabilidade maior até do que o CDI, atualmente com um rendimento de +2,07% no acumulado deste ano. 

Este é o caso de importantes assets do mercado como Legacy, JGP e Verde, para citar alguns exemplos. Em oito meses de 2021, as casas citadas anteriormente registram um retorno de -2,19%, -1,32% e +1,62%, respectivamente, com números muito abaixo de suas médias históricas. 

Mas o que houve com os fundos multimercado macro?

Apesar da diferença entre as inúmeras gestoras, que adotam diferentes estratégias, é possível traçar um fio condutor em todos os fundos macro ou pelo menos na maior parte deles que justificam por qual motivo o desempenho tem sido tão sofrível.

Em linhas gerais, até a metade de 2021, o mercado tinha uma expectativa muito grande de recuperação da economia brasileira no cenário pós-pandemia, apoiada principalmente pelo avanço da vacinação contra a covid-19.

“Boa parte das casas do universo macro mantinham em carteira apostas estruturalmente pró-Brasil no primeiro semestre. No caso de algumas gestoras, essas apostas eram bastante relevantes”, afirma Juliana Machado, analista de fundos de investimento do BTG Pactual digital em conversa com o B.Side Insights.

E aí é que veio o tombo diante de inúmeros reveses para esse cenário tão otimista. No entanto, havia certo embasamento para tal opinião. “Os gestores têm que se posicionar de alguma forma e havia um subsídio para a opinião ser positiva com Brasil, já que realmente havia um crescimento endereçado”, explica a analista.

Tomado por ruídos políticos e fiscais no meio do caminho, o mercado local adotou uma cautela maior. Somado a isso, houve uma surpresa inflacionária que, na opinião de Juliana Machado, foi o principal ponto para fazer a curva de juros abrir (expectativa de elevação de juros). Assim, o Banco Central teve que adotar uma comunicação mais dura e enfática em relação à alta de juros para ancorar as expectativas dos agentes do mercado, senão haveria uma disparada ainda maior da curva.

“A verdade é que o mercado de juros e a realidade do Brasil não estão conversando, então alguém terá que se ajustar. Ou será a realidade que a curva está mostrando ou a curva terá que refletir o que o Brasil será daqui para frente”, aponta Machado.

Cenário daqui para frente

Na visão do BTG Pactual, a perspectiva para os fundos macro é que a visibilidade fique um pouco melhor daqui para frente. E o que as assets estão fazendo enquanto isso? Comprando ativos no exterior.

Com a aproximação do ano eleitoral, que deverá trazer ainda mais volatilidade para o mercado, gestores enxergam uma recuperação muito mais ordenada da atividade, principalmente nos Estados Unidos, bem diferente do que está acontecendo no Brasil. 

Assim, os fundos multimercado macro stoparam as posições mais relevantes pró-Brasil, ficando “mais leves” e começaram a montar posições em oportunidades com uma relação risco/retorno melhor, notadamente fora do País.

“Lá fora, até temos uma perspectiva de tapering, o que pode enxugar a liquidez global, mas para quem está olhando para ativos americanos há uma perspectiva melhor em linhas gerais”, afirma Juliana Machado. “O gestor é obrigado a gerar retorno no exterior, mas como multimercado macro espera-se que também consiga fazer uma boa leitura do mercado no Brasil.”

Fundos não devem ser analisados em janelas de 6 meses

De acordo com a analista do BTG Pactual, uma janela de seis meses para avaliação de um fundo multimercado macro é um dos piores erros que um investidor pode cometer. 

Segundo ela, apenas um semestre não diz absolutamente nada sobre um produto, porque nesse período há uma chance considerável de haver diversos fatores de aleatoriedade. Ou seja, o investidor estará tomando uma decisão simplesmente por conta de ruídos. 

“Seis meses para tomar esse tipo de decisão costuma ser contraproducente porque os investidores costumam pegar a pior janela para sair e isso acontece, em geral, quando os fundos já fizeram o stop e já estão posicionados de outra forma”, explica Machado.

Ela lembra, inclusive, que anos ruins fazem parte de um investimento em fundos multimercado, assim como em qualquer fundo que exija um prazo de alocação de 3 a 5 anos.

Mas em qual caso o investidor deve solicitar o resgate das cotas? Em caso de perda de fundamento, ou seja, não acreditar no que o gestor está fazendo.

Publicidade

Recomendado

Deixe um comentário

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Recentes

Fechamento B.Side: Ibovespa ameniza perdas após permanência de Guedes e cai aos 106 mil pontos; dólar recua a R$ 5,62

Em mais um dia de pressão para os ativos domésticos, ainda refletindo os temores fiscais por mudanças no teto de gastos, o Ibovespa registrou...

Gestores afirmam que investidor deve priorizar caixa para enfrentar momento de turbulência no Brasil

Questionado no evento BTG Bankers Experience 2021 sobre qual movimento seria adequado para o investidor nesse momento de turbulência no âmbito doméstico, Márcio Roberto...

B.Side Daily Report: mercado digere alteração no teto de gastos por meio de PEC dos Precatórios; bolsas sobem no exterior

Bolsas globais adotam tom majoritariamente positivo Os índices futuros de Nova York não definem sinal único, enquanto as bolsas europeias sobem em bloco nesta sexta-feira....

Fechamento B.Side: Ibovespa desaba aos 107 mil pontos com risco fiscal persistente; dólar dispara a R$ 5,66

Repercutindo as falas de ontem do ministro da Economia, Paulo Guedes, que propôs um “waiver” (perdão) para permitir gastos de R$ 30 bilhões ou...

“O teto de gastos não é mais um instrumento de estabilização”, afirma Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo

Desde que integrantes do governo anunciaram no início da semana que parte do Auxílio Brasil, programa social que substituirá o Bolsa Família, poderá ser...
Publicidade